Dra. Luciane Mello | Otorrinolaringologia e Medicina do Sono | Refluxo Laringofaríngeo
17765
single,single-post,postid-17765,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-6.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Refluxo Laringofaríngeo





Slide32

19 jul Refluxo Laringofaríngeo

Já ouviu falar daquele pigarro, que fica preso na garganta, e que normalmente associamos a uma gripe ou resfriado? Ele pode ser considerado um dos principais sintomas do refluxo laringofaríngeo, que ocorre quando o ácido do estômago retorna ao esôfago e pode chegar até a garganta, laringe ou faringe, causando lesões e sintomas como tosse seca e sensação de um ‘bolo’ na garganta.

A otorrinolaringologista do Hospital da Lagoa, Dra. Luciane Mello, explica que mesmo que os dois problemas sejam decorrentes do retorno do ácido do estômago, no caso do refluxo laringofaríngeo normalmente não há sintomas similares ao outro tipo de refluxo, o gastroesofágico, como azia e regurgitação. “Nesses casos, é importante que haja uma criteriosa avaliação do caso, principalmente, porque o retorno do ácido até a garganta, laringe ou faringe, pode trazer complicações como rouquidão intensa, otites, dor de garganta constante, entre outros”, comenta a especialista.

O diagnóstico é realizado por meio de uma análise clínica dos sintomas e da Videofaringolaringoscopia, exame de imagem que objetiva avaliar a faringe e a laringe. O tratamento é indicado de acordo com cada caso, mas geralmente está relacionado com a mudança de alguns hábitos e até medicamentos. “Além do diagnóstico correto, é necessário que o paciente adote hábitos alimentares saudáveis, como alimentar-se de maneira regular, evitar a ingestão de grandes quantidades de comidas antes de se deitar, além de combater o tabagismo”, finaliza Luciane.