Dra. Luciane Mello | Otorrinolaringologia e Medicina do Sono | Como identificar se você tem desvio de septo
17435
single,single-post,postid-17435,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-6.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Como identificar se você tem desvio de septo





desvio de septo_luciane

12 out Como identificar se você tem desvio de septo

Como identificar se você tem desvio de septo

Respirar de forma errada pode acarretar em diversos problemas ao organismo, como: dificuldades para dormir, apnéia do sono, sinusites e até complicações na garganta. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que cerca de 70% da população mundial sofre com dificuldades na respiração e entre as diversas causas, está o desvio de septo. De acordo com a otorrinolaringologista e especialista do sono do Hospital Federal da Lagoa (RJ), Dra. Luciane Mello, o septo nasal é uma estrutura formada por ossos e cartilagem, que divide o nariz em duas fossas nasais.

O septo começa a ser formado na quarta semana de gestação, mas até a puberdade, existe uma área de transição que não está completamente madura. Traumas durante o nascimento, às vezes com o uso de fórceps ou pela passagem por uma bacia estreita, podem levar ao desvio septal precoce. “Pequenos traumas durante a infância e até a adolescência podem parecer inocentes, mas também contribuem para a formação de desvios de septo”, comenta a especialista.

A obstrução nasal é uma das principais queixas de quem tem o problema. Mas também pode haver dificuldade para a drenagem de secreções dos seios da face, levando a episódios de sinusite, assim como dores de cabeça, desconforto e pressão na face. Além disso, é possível que também ocorra deformidade externa causando desconforto estético. “Nem todos os pacientes que apresentam desvio septal durante o exame físico ou outros exames necessitam de cirurgia. O paciente deverá sempre ser avaliado pelo especialista para a definição do melhor tratamento. Muitas vezes, a cirurgia para correção da deformidade anatômica, a chamada septoplastia, é necessária.”, finaliza a especialista.